Teste do Pezinho: entenda a importância desse exame.

05/06/2017

Em sua versão básica, ele detecta seis doenças graves e deve ser feito até o quinto dia de vida do bebê

Basta uma picadinha no calcanhar do bebê para detectar precocemente algumas doenças sérias, que podem afetar o seu desenvolvimento. Esse é o Teste do Pezinho, que, de tão importante, ganhou até uma data comemorativa – 6 de junho: Dia Nacional do Teste de Pezinho – instituída pelo Ministério da Saúde.

Trazido ao Brasil pela APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) em 1976, o exame de triagem neonatal é obrigatório e gratuito no país desde 1992. Atualmente, a versão básica do teste, oferecida na rede pública de saúde de todo o país, detecta seis doenças: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, fibrose cística, anemia falciforme, hiperplasia adrenal congênita e a deficiência de biotinidase. As duas últimas da lista foram incorporadas ao teste em novembro de 2013.

Na rede privada, a maioria das maternidades oferece o teste ampliado, que na versão conhecida como Mais diagnostica mais quatro doenças, além das mencionadas na versão básica: deficiência de G-6-PD, galactosemia, leucinose e toxoplasmose congênita. Há ainda o teste Super, que é capaz de detectar até 48 patologias.

O Teste do Pezinho deve ser feito após as primeiras 48 horas do bebê e até o 5º dia de vida. “Esse período de dois dias antes do exame é essencial para que o funcionamento do organismo do bebê se estabeleça e seja possível detectar as doenças, principalmente a fenilcetonúria, que é diagnosticada após o bebê fazer a digestão do leite materno ou da fórmula infantil.

Como o teste é feito?

Uma amostra de sangue do calcanhar do bebê é retirada e enviada para análise. Segundo Tânia Bachega, endocrinologista membro do Departamento de Adrenal e Hipertensão da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a coleta acontece nessa região devido ao grande fluxo sanguíneo que existe ali. O sangue, então, é colocado num papel tipo mata-borrão e encaminhado ao laboratório.

O resultado pode demorar até 30 dias, mas geralmente, fica disponível em uma semana. Confira no hospital se a retirada do exame deve ser feita presencialmente ou pela internet. Caso haja alguma alteração, uma nova coleta deverá ser solicitada para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento.

Doenças diagnosticadas na versão básica do teste

Fenilcetonúria
Causada pela deficiência no metabolismo do aminoácido fenilalanina. O acúmulo no organismo pode causar deficiência mental.

Como o teste é feito?

Uma amostra de sangue do calcanhar do bebê é retirada e enviada para análise. Segundo Tânia Bachega, endocrinologista membro do Departamento de Adrenal e Hipertensão da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a coleta acontece nessa região devido ao grande fluxo sanguíneo que existe ali. O sangue, então, é colocado num papel tipo mata-borrão e encaminhado ao laboratório.

O resultado pode demorar até 30 dias, mas geralmente, fica disponível em uma semana. Confira no hospital se a retirada do exame deve ser feita presencialmente ou pela internet. Caso haja alguma alteração, uma nova coleta deverá ser solicitada para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento.

Doenças diagnosticadas na versão básica do teste

Fenilcetonúria
Causada pela deficiência no metabolismo do aminoácido fenilalanina. O acúmulo no organismo pode causar deficiência mental.

Hipotireoidismo congênito
Causada insuficiência do hormônio da tireoide. A falta de tiroxina pode causar retardo mental e comprometimento do desenvolvimento físico

Fibrose cística
Ocorre aumento da viscosidades das secreções, propiciando as infecções respiratórias e gastrointestinais. Ataca pulmões e pâncreas. É incurável.

Anemia falciforme e outras hemoglobinopatias
Alteração da hemoglobina que dificulta a circulação, podendo afetar quase todos os órgãos. Pode causar anemia, atraso no crescimento e dores e infecções generalizadas. É incurável.

Hiperplasia adrenal congênita (HAC)
É uma doença genética, em que as duas glândulas suprarrenais – localizadas em cima dos rins, não funcionam corretamente, prejudicando a produção de hormônios essenciais para o corpo, como o cortisol e a aldosterona.

Deficiência de biotinidase
É também uma doença genética, em que o organismo não é capaz de obter a enzima biotinidase, impedindo que os alimentos sejam processados ou metabolizados pelo organismo.

Voltar para o topo

Parceiros

SBOT COOTES Instituto Vida e Movimento

Redes Sociais

TODO O CONTEÚDO E OS DIREITOS RESERVADOS À SBOT-ES - SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA REGIONAL EPÍRITO SANTO

Balaio Comunicação e Design